sábado, 7 de julho de 2018

Perdemos no futebol. Mas e daí? Fórmula 1 não tem mais brasileiro!

Quem acompanha meus blogues sabe muito bem que eu gosto de automobilismo, principalmente de Fórmula 1. Gosto sem fanatismo, pois eu sei diferenciar esporte de país e reconheço que o bom êxito em esportes não interfere no cotidiano sócio-econômico de nossa sociedade. É um divertimento, como um concerto musical. Encerrada a partida, tudo volta como estava antes.

Mas brasileiros em geral não pensam assim. Tratam o futebol como se a vida deles dependesse do sucesso da seleção ou de seu time em campeonatos. A derrota ocorrida no dia 06 deixou muitos brasileiros entre magoados e furiosos, como se acreditassem que o hexacampeonato estivesse garantido e que iria nos tirar do golpe político iniciado em 2016.

Futebol não é tratado como um lazer, como deveria ser. É o nosso maior orgulho. Pode parecer patético, mas nosso maior orgulho é sermos os melhores em um reles divertimento. Em copas, futebol passa a ser praticamente o único assunto e desejo máximo. Outros assuntos são deixados em segundo plano, mesmo que sejam realmente urgentes. 

Mas aí o futebol brasileiro perde em seu maior campeonato e os brasileiros se desesperam. Ainda continuamos traumatizados pelo "trágico" 7x1 sofrido em "casa" contra a Alemanha a ponto de comemoramos a sua eliminação na copa atual como uma vingança. Somos tolos. Tragédia para mim, é gente morrendo, não uma derrota em um supérfluo espetáculo futebolístico.

Eu mesmo não estou triste com o fato de não termos brasileiros na Fórmula 1. O que que tem? Ora, assim como o futebol, o automobilismo é uma reles diversão. Não estou saindo dando paulada em todo o mundo só porque não há brasileiros na temporada de 2018 da Fórmula 1. Se o Brasil não se classificar para participar da copa de 2022, os brasileiros não deveriam se desesperar.

Eu continuo curtindo normalmente a Fórmula 1, embora a pouca divulgação que a mídia tem dado a modalidade tem criado dificuldades para eu acompanhar as corrida. Mas como eu não sou fanático, nem isso me incomoda. Vou seguindo a minha vida sem saber quem está liderando o campeonato. na ausência de brasileiros, decidi que vou torcer pelo alemão (olhem só...) Sebastian Vettel. Mas mesmo que ele não ganhe, não vou me desesperar como se o mundo tivesse acabado.

Acho que está mais do que na hora dos brasileiros largarem a chupetinha e saírem do bercinho e aceitarem a derrota dos brasileiros na copa. Futebol nunca foi mais do que um mero divertimento e achar que um título em copas irá mudar nossas vidas é fugir do mundo real. Fora dos gramados e das pistas de corrida a vida acelera a mil por hora e nem percebemos isto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.