quarta-feira, 13 de julho de 2016

A direita, a esquerda e o futebol

Brasileiro é um povo meio esquisito. Para eles, o futebol não é uma simples forma de lazer. É um símbolo nacional, um dever cívico e social e sua negação pode isolar quem o despreza, perdendo inclusive direitos essenciais pela não-sociabilização. O futebol é tão importante que a vitória de um time ou da "seleção" em um campeonato importante é mais desejada que a melhoria da qualidade de vida da população.

Como o futebol é uma obrigação cívica e social, em todas as tribos, raças, credos, sexos e o que quer que seja, há sempre torcedores fanáticos dispostos a morrer pelo futebol. Na política também. A foto que ilustra esta postagem é bem representativa. Tanto o esquerdista Lula quanto o direitista Aécio são futebosteiros fanáticos assumidos.

Tanto os ideólogos de esquerda quanto os de direita brigam para que o futebol esteja do seu lado. Imagine um campo de futebol: 

- Do lado esquerdo do campo, vemos torcedores e intelectuais tentando transformar o sempre capitalista futebol em ativismo social; 

- Do lado direito, vemos pessoas vestidas com a camisa da corrupta CBF pedindo a saída do PT usando o "combate à corrupção" como desculpa. 

Em ambos os lados a incoerência de utilizar uma forma de lazer supérflua para tentar mexer com a política do país. A ânsia de superestimar o futebol faz com que os torcedores enfiem a modalidade esportiva em assuntos que não tem qualquer relação com ela.

É como se não fôssemos brasileiros e sim torcedores de futebol. É como se não vivêssemos em um país e sim em um estádio de futebol. Como se a vitória de um time ou da "seleção" pudesse resolver os problemas que tanto nos incomodam. Como se jogadores de futebol fosse soltados a lutar pela nossa dignidade. Tanto esquerdistas e direitistas estão erradíssimos. 

Façam uma coisa: esquerdistas, usem outros meios para seu ativismo social, até porque ele precisa ser levado a sério e associá-lo a uma mera forma de diversão não parece o melhor meio para isso.

Coxinhas: CBF não é país e rouba muito mais que supostamente qualquer petista. A cúpula que controla a "seleção" brasileira, sozinha, é muita mais corrupta que todos os políticos do Brasil. Há jogadores "admiráveis" envolvidos em corrupção e sonegação de impostos.

O dia que os brasileiros perceber que o futebol não passa de uma reles brincadeira infantil, o Brasil crescerá e a corrupção acabará. Enquanto isso não acontece...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.