domingo, 30 de agosto de 2020

Esquerdistas querem preservar valores antigos considerados positivos


Embora assumam o contrário, esquerdistas brasileiros são conservadores. Claro, brasileiros são conservadores e pensam que mudar radicalmente o mundo seria uma forma de destruir inúmeras zonas de conforto que não beneficiam, de tão datadas, mas ainda geram conforto para gigantesca multidão de pessoas (gado?).

Esquerdistas brasileiros tratam bem qualquer coisa que façam brasileiros sorrirem. Não importam se estas coisas geram ou não benefício. Muito menos importam se geram danos a sociedade brasileira, deixando-a mais burra e inerte, fora do mundo real. Se faz sorrir, dá prazer e valoriza a honra e a identidade do portador desta tendência, está válido.

Um exemplo, para dar noção do caráter de ridiculosidade em não querer mudar a sociedade. Se ir a praia de pijama, como se fazia em um passado remoto, fosse um valor positivo para as esquerdas, pode crer que até hoje estaríamos em Ipanema, todos vestidos de pijama, se preparando para um banho de mar sem mostrar boa parte de nossos corpos.

Há valores que dão sinais de obsolescência que ainda são defendidos pelas esquerdas, como religião, cerveja e futebol. Nenhum desses foi capaz de trazer benefícios a seus adeptos. Pelo contrário, geram até danos (futebol: falso civismo, alienação e gritaria; religião: noção errada de bondade e aceitação de contradições lógicas; cerveja: embriaguez, redução do controle mental e certos problemas de saúde). Então, porquê, manter estes, que são as maiores zonas de conforto dos brasileiros.

Há outros valores a mudar, mas estes três foram citados aqui por terem um número monstruoso de adeptos, todos beirando os 90% de adesão. Mas a defesa destes valores, considerados "positivos" pelos esquerdistas despe o enrustido conservadorismo dos esquerdistas brasileiros, que acham que devem manter tudo que faça as pessoas felizes. Mesmo que o prazo de validade tenha se esgotado.

terça-feira, 2 de junho de 2020

Porque as esquerdas não querem mais saber de Neymar

Para quem enxerga o futebol como dever cívico, enxerga a copa de futebol como uma guerra e cada jogo como uma batalha. Obviamente que, nestas condições, cada jogador é um soldado a lutar em nome de seu país para conseguir uma conquista que... sabe-se lá para que serve, além de fazer multidões berrarem histericamente.

Um desses "soldados", o santista Neymar Júnior, ou apenas Neymar, foi tratado como um herói durante um bom tempo. Era quase uma unanimidade nacional. Pelo menos ele era unanimidade para quem gosta de futebol. Todos adoravam ele a ponto de atpé mesmo o mais machista dos homens sonhar se casar com ele, de tão popular que o jogador era.

A popularidade dele era tanta que arrumaram até uma princesinha encantada, a atriz Bruna Marquezine, frequentemente "shipada" (casamento forjado pelos fãs de duas celebridades) com o jogador. O relacionamento se revelou uma farsa publicitária e Bruna, hoje rompida com o jogador, é mais esclarecida e mais responsável, a ponto de seguir orientação política oposta a de Neymar, este ainda fechado com o "capitão", este o "Mito", o herói dos irresponsáveis.

Mesmo que Neymar tenha virado bolsonarista, este não é um motivo para as esquerdas descartarem um ídolo. Líderes religiosos daquilo que os brasileiros conhecem como "espiritismo" são claramente bolsonaristas e ainda possuem respeito e até admiração de vários esquerdistas. Mesmo assim, Neymar já é oficialmente descartado da idolatria das esquerdas. Porquê?

Provavelmente deve ser o fato de Neymar ter se revelado, na vida real, o oposto que se espera de um "herói". As esquerdas esperavam ver o jogador casado com Bruna Marquezine, aposentado das festas e curtições, cuidando de seu filho ou fazendo outro, e na política, mesmo sendo direitista, assumisse uma postura pelo menos simpática à democracia.

Mas Neymar tem se mostrado um farrista inveterado. A imagem de um garoto que não consegue amadurecer tem preocupado seus admiradores. Até a atuação - que cá para nós, nunca foi brilhante, exceto pela falsa imagem construída pela mídia - caiu bastante, a ponto dele ter sido vaiado durante um jogo em um dos times europeus que atuou.

As esquerdas brasileiras, que caíram com gosto na armadilha do futebol como orgulho nacional, esperam ainda por um herói estereotipado, aos moldes dos melhores filmes de aventura. Porque elas precisam de um herói futebolístico. Pena que o outrora superestimado Neymar não serve mais para este papel...

sábado, 23 de maio de 2020

Esquerdistas e direitistas disputam o amor pela Seleção Brasileira de Futebol

Esquerdistas não cansam de dar bronca pela utilização da camiseta da CBF nas manifestações d e direita. Apesar do futebol ser de fato um esporte desenvolvido pelo Capitalismo, fato recusado pelos esquerdistas, que consideram a possibilidade do futebol manter a sua pompa e o glamour sem o sustento de cartolas e patrocinadores, as forças progressistas querem a patente do futebol.

Na verdade, isso se baseia na eterna confusão entre o futebol e patriotismo. Para os brasileiros que gostam de futebol, esta modalidade esportiva é um dever patriótico que deve ser seguido por todos os brasileiros. A camiseta da CBF tem a mesma importância da bandeira nacional e deve ser imaculada.

Mas não pensem os esquerdistas que somente eles pensam desta forma. A direita concorda plenamente com as esquerdas quanto a crença do futebol ser um orgulho nacional a nível do mais nobre patriotismo. A utilização da camiseta da CBF nos protestos da direita são uma prova de que as duas forças políticas tem a mesma visão em relação ao futebol e à "Seleção".

Os direitistas, ao escolherem a camiseta da CBF como uniforme nos protestos, a usam como símbolo de patriotismo. Brasileiros não costumam ser muito patriotas (amam mais os EUA e países da Europa). Brasileiros sonham com o chamado "primeiro mundo", que consideram onde ficam os melhores exemplos de civilidade, educação e sucesso econômico. 

A única noção de patriotismo que possuem é quando torcem pela "Seleção" em jogos e em campeonatos, principalmente nas copas, onde o país interrompe as suas atividades pelo "dever patriótico" de torcer "pelo Brasil". Para se ter uma ideia, a vitória no futebol e muito mais comemorada do que um sucesso na área econômica ou alguma conquista mais realista.

Isso é reforçado pelo fato do futebol ser um agregador social. Claro, pois sendo um "dever patriótico", muita gente se sente obrigada a aderir, tornando o hobby capaz de reunir o maior número de pessoas em uma só causa. Brasileiros, que gostam de aglomerações sociais (viver isolados em tempo de covid-19 é uma tortura) mais do que os outros povos, amam o futebol por causa disto.

E por isso que esquerdistas e direitistas brigam pela posse da camiseta da CBF. Justamente por serem, acima de qualquer opção de devoção política, brasileiros. Ambos são unânimes em tratar a camiseta da CBF e a simbologia do futebol como partes de uma devoção patriótica ausente nos momentos mais cívicos, pois nem no 7 de setembro se vê tanto amor pelo Brasil como nos jogos da "Seleção".

Enfim, há algo em que esquerdistas e direitistas concordam plenamente. Mesmo que isso ainda acabe em brigas, não raramente bem violentas.

domingo, 10 de maio de 2020

Pais depositam suas frustrações em seus próprios filhos: atitude contribui para que sociedade nunca mude

Adultos imaturos são a pior coisa do mundo. Não sabem educar a si mesmos e ainda são metidos a querer "educar" seus próprios filhos, transferindo para eles os valores equivocados que a sua imaturidade lhes faz acreditar, pensando estar transmitindo maturidade para seus filhos. 

Além disso, fazem de seus filhos cópias em miniatura de si mesmos, como se usassem suas próprias crias para compensar as frustrações pessoais de não realizar o que gostaria. Como se seus filhos fossem bonequinhos feitos para imitar a vida dos adultos.

É muito triste saber que a maioria dos pais não dão aos seus próprios filhos a opção de decidir o que fazer na vida, preferindo embutir os valores de uma sociedade cronicamente falida, fazendo com que seus filhos, ao se tornarem adultos, nunca mudem a sociedade, perpetuando todos os erros, problemas, injustiças e preconceitos que estamos cansados de ver todos os dias e que não estão dando sinais de que irão acabar.

Se esquecem quase todos os pais que as crianças são seres em processo de aperfeiçoamento e que seus tutores na verdade tem a missão de prepará-las para que possam tentar melhorar o mundo. Mas ao invés disso, criam pessoas que serão adultos acomodados, submissos, medrosos e que se contentam com pouco, tratando os problemas como se estes fizessem parte da sociedade adulta, o que é uma mentira.

Colocando em seus próprios filhos as suas preferências e frustrações pessoais, desestimulam seus filhos a pensarem por conta própria, a decidir por si mesmos, na tentativa de pensar diferente apara fazer diferente. Pensando igualmente às gerações anteriores, acabam fazendo tudo igual, impedindo a mudança social brusca que a sociedade tanto precisa para poder se evoluir. Apenas pequenas mudanças, muitas irrelevantes, acontecem, geralmente na aparência. Enquanto na essência, tudo fica na mesma.

Que tal ouvir melhor seus filhos, por menores que eles sejam? Vale a pena impor os valores pessoais de uma vida adulta equivocada e jogar fora a chance de desenvolver um ser que poderia acabar com os problemas sociais? Pense bem nisso, todos os pais e mães e ouçam melhor seus filhos, deem liberdade para que eles aprendam que somente quem é livre de pensamento pode decidir por fazer  algo que realmente possa transformar a sociedade, preparando-a para o futuro.

Transformar filhos em reproduções em miniatura de seus próprios pais é um erro irresponsável e uma boa forma de dizer: "Está tudo bom como está. Eu não quero que nada mude". Então tá. Quando algum problema bater a porta de sua vida, pense como uma boa educação feita numa geração anterior, poderia ter evitado isso.

domingo, 19 de janeiro de 2020

Falta de opções de lazer e caos organizado podem ter estimulado o fanatismo do futebol no Rio de Janeiro

Brasileiros são fanáticos por futebol, num hábito passado de geração a geração. Para quem vive no Brasil, futebol é dever cívico e social e quem é contra merece o isolamento e quando muito prejuízos e até morte. O medo da solidão faz com que brasileiros em massa se tornem reféns do futebol. Até quem não curte de fato tem que fingir para não ficar sozinho. 

Cariocas são ainda mais fanáticos que os brasileiros. No estado onde sedia os times mais bem sucedidos do país, o futebol não é somente dever como também uma regra de etiqueta. Nossa equipe não cansou de ver cariocas se sentindo ofendidas diante de alguém que assume seu desprezo pelo futebol, mesmo de forma simpática e respeitosa.

Mas a origem disto tudo, sem descartar o mito do dever cívico e social, pode estar escondido na decadência que sofre o Rio de Janeiro há décadas, com uma espécie de caos organizado e falta de lazer impostas por um neo-coronelismo de direita e uma esquerda inerte que só sabe defender a liberação das drogas e a profissionalização da prostituição, se conformando com as injustiças cônicas vistas nas causas trabalhistas.

Estigmatizado como capital cultural e estado mais moderno do Brasil, o Rio de Janeiro vive em uma estagnação resultante desta fama de modernidade consolidada, o que faz com que o estado não progrida e obrigue as pessoas a se virarem para obter lazer e formas de sociabilização. E é aí que entra o futebol para tapar o buraco visto nas outras áreas de lazer mais democráticas.

Sem estímulos para se divertir e sociabilizar, os cariocas - com ajuda da mídia e das regras sociais - se aproveitaram da popularidade do futebol para transformá-lo em algo absoluto a facilitar a sociabilização e tirar os cariocas da ameaça de tédio crônico, mesmo que de forma forçada e artificial.

Para se virarem diante de tanto desestímulo, os cariocas elegeram o futebol como um perfeito agregador social. Numa sociedade que costuma ser insensível (como costuma ser o sul e sudeste brasileiro) e meio acomodada, o futebol tem o poder, mesmo artificial, de unir pessoas com gostos e ideias diferentes, que não se conhecem. Quem não se descontrai diante de uma conversa sobre futebol com desconhecidos? Somente quem não surte futebol, óbvio.

O futebol deu a oportunidade para cariocas obterem amizades e diversão diante da falta de estimulo, já que governos e empresários locais não se esforçam em oferecer aos cariocas meios que favoreçam um lazer mais diversificado e constante. Mesmo as poucas iniciativas que aparecem soam como coisa de sectários (grupos específicos e isolados), sem a capacidade de unir pessoas com pensamentos diferentes ou que simplesmente não se conhecem.

Com isso, o futebol acaba se consagrando o perfeito agregador social e mais opção de lazer para cariocas de todas as classes sociais e mais variados pensamentos. As coisas continuarão assim até que apareça algum gestor no estado do Rio de Janeiro disposto a democratizar o lazer e criar formas mais variadas de diversão e sociabilização.

segunda-feira, 25 de junho de 2018

Jogador Roberto Carlos vai na contramão de colegas e do xará famoso e se põe no lado dos progressistas

Eu sempre fico feliz quando alguém se assume progressista. os progressistas são, além de altruístas, portadores de uma mentalidade mais aberta e desejosos de ver o seu país em constante processo de desenvolvimento, gerando benefícios a um maior número de pessoas, quiçá todos.

Jogadores de futebol não costumam ser progressistas. Com maioria de pouca escolaridade e subindo rapidamente de classe sócio-econômica, muitos acabem perdendo sua consciência de classe, abandonando velhos amigos e os lugares de onde vieram.

Mas há exceções realmente admiráveis como o saudoso jogador Sócrates e o hoje comentarista Juninho Pernambucano, que decidiram se intelectualizar por conta própria, acabando por se revelar homens conscientes preocupados com o mundo real. Mas outro acaba de se juntar a estes: Roberto Carlos, o jogador.

Em entrevista recente, Roberto surpreendeu pela conscientização política, inteligência, franqueza e por ideais que se encaixam ao perfil progressista, raro em sua classe profissional. Houve espaço até para elogios ao de fato melhor presidente do Brasil Luís Inácio Lula da Silva, preso sem motivos por quem está interessado em ver o Brasil falido. Roberto sabiamente reconheceu a boa fase em que o ex-sindicalista comandava o país.

Fica aqui meus parabéns a Roberto Carlos e sempre esclarecendo que não sou contra o futebol nem contra os jogadores. Futebol é sadio como forma de lazer e os jogadores, tendo a iniciativa de se evoluírem como pessoas, podem se tornar homens admiráveis fora do campo. Admiro quem se esforça para sair da zona de conforto e do lugar comum. O jogador Roberto Carlos deu aula de cidadania que deve ser observada atentamente pelos seus colegas de profissão.

Ah! Roberto Carlos ainda teve a ousadia de ir contra o seu xara mais famoso, que infelizmente apoiou o golpe, mesmo de forma discreta, com elogios ao um juiz especialista em desempregar trabalhadores de promissoras indústrias nacionais. Roberto Carlos, o jogador, este sim é brasa, mora?

domingo, 24 de junho de 2018

CBF paga mídia alternativa para exaltar futebol?

Apesar de ser um esquerdista, tenho evitado os portais de esquerda em tempos de copa. Infelizmente as esquerdas tem aderido a onda midiática e fazendo coro com a mídia corporativa em prol da histeria coletiva que predomina durante um mês em épocas de copa. Isso com o Brasil na UTI após o golpe de 2016 feito financiado pelos patrocinadores da copa.

Sinceramente acho estranha esta adesão maciça das esquerdas ao futebol em copas. Isso cria um festival de contradições se lembrarmos que o futebol é uma modalidade de esporte capitalista, patrocinada e administrada por capitalistas, usada pela mídia corporativa e cuja magia é resultante de muito dinheiro investido. Ou alguém enxergaria magia em garotos feios sujos de lama, correndo atrás de uma meia enrolada em cima de uma grama mal cortada?

Que as esquerdas brasileiras nunca foram realmente contra o Capitalismo isso é fato comprovado. A queixa das esquerdas brasileiras não é contra o Capitalismo e sim contra o fato de serem excluídos dos benefícios que este sistema pode oferecer. E entre estes benefícios, obviamente está o de assistir a um jogo de futebol em um luxuoso estádio de futebol diante de jogadores transformados às custas de muito banho de loja e algumas plásticas e alterações estéticas.

Mas mesmo assim, continuo a perguntar: o que faz com que as esquerdas se unam aos direitistas no coro em prol da histeria futebolística? Será para atrair os torcedores para as plataformas alternativas? um será que a CBF está injetando dinheiro nas esquerdas para que elas sobrevivam? Não há motivos para discordar se estas duas hipóteses sejam verdadeiras, desde que as esquerdas assumam. Até porque os meios alternativos carecem de apoio e todo recurso extra que entrar será bem vindo.

É sabido que há forças estranhas patrocinando as esquerdas, para que elas não ousem mais do que já fazem. George Soros, muito criticado pelas esquerdas, patrocina tanto entidades progressistas como conservadores. Ele não é o único, mas é um bom exemplo.

Há interesses ocultos em manter o sistema como está, mesmo abrindo mais o leque para as classes oprimidas. Mas é preciso que essas classes sejam incluídas em um sistema existente, com valores e estruturas tradicionais, para que mesmo com a esquerda no poder, os poderosos não deixem de comandar o sistema. Por isso que muito dinheiro é investido, para que as esquerdas respeitem o sistema como está, mesmo exigindo mudanças significativas, mas nunca totais.

De qualquer forma, é nítido o empenho das mídias alternativas em prol do futebol, abandonando da mesma forma que faz a mídia corporativa, aqueles que preferem estar longe da algazarra futebolística, sem oferecer opções para que os avessos ao futebol possam se divertir e se sociabilizar. Ou seja, quem não curte futebol bom sujeito não é e que se vire se não quiser seguir a manada.

Crescemos acreditando no fanatismo futebolístico estimulado pela mídia corporativa. Pelo jeito até a mídia alternativa resolveu cair feito trouxa no papo furado da mídia corporativa.

Esquerdistas querem preservar valores antigos considerados positivos

Embora assumam o contrário, esquerdistas brasileiros são conservadores. Claro, brasileiros são conservadores e pensam que mudar radicalm...